Santo Oliver Plunkett

Origens

Oliver Plunkett nasceu em Loughcrew, Irlanda, no ano de 1625. Filho de uma família rica, nobre e católica, recebeu educação cristã, quando a fé católica era duramente perseguida nas terras irlandesas. Sua família foi perseguida e teve que viver na clandestinidade. Desde criança ele soube o que é ser perseguido por causa da fé em Jesus Cristo.

Situação conturbada e perseguição

A população da Irlanda tinha maioria católica, mas seus governantes romperam com o Vaticano. Por outro lado, o líder do exército real inglês, chamado general Cromwel, dava andamento no projeto de unificação da Inglaterra, que consistia em unificar a Irlanda e a Escócia à Inglaterra. Por causa disso, ele mandou matar o rei Carlos I. Depois, mandou matar todos os clérigos da Irlanda, bem como os líderes religiosos e políticos que tivessem alguma simpatia pelo catolicismo.

Deus chama no meio da perseguição

Oliver Plunkett sentia no coração o desejo de ser padre, mesmo no meio da mais violenta perseguição. Porém, para conseguir se realizar na vocação, estudou escondido, recebendo aulas particulares. Seus pais, percebendo a seriedade da vocação revelada, enviaram-no para estudar em Roma por causa da perseguição.

Ordenação e missão

Em Roma, Oliver Plunkett prosseguiu nos estudos e foi ordenado em 1654. Por causa da perseguição na Irlanda, permaneceu em Roma. Lá, destacou-se como professor de teologia. Sábio, caridoso e homem de oração, o Padre Oliver Plunkett encantava seus alunos teologia.

Bispo da Irlanda

No ano 1669, o bispo da Irlanda encontrava-se em Roma, exilado por causa da perseguição em seu país. Estando já idoso, veio a falecer. O Papa Clemente IX, então, sagrou o Padre Oliver Plunkett como bispo da Irlanda. Procurando ser fiel à missão recebida da parte de Deus, o bispo Oliver Plunkett decidiu voltar para a Irlanda para confirmar o rebanho irlandês na fé. Ele voltou como clandestino.

Missão na Irlanda

Na Irlanda, o bispo Oliver Plunkett revelou-se um grande pastor, capaz de entregar a própria vida pelo rebanho. Era um homem carismático, inteligente, sereno, diplomata sem igual e portador de uma fé inabalável. Sua capacidade de diplomacia ajudou-o a conseguir uma importante diminuição na perseguição contra os católicos. Por outro lado, ele conseguia cada vez mais reanimar os fiéis na fé e unir novamente a Igreja irlandesa à de Roma. As coisas caminhavam bem e parecia que a paz estava retornando à Irlanda. Porém, uma traição à Igreja estava por vir.

Traição

Um jesuíta que tinha sido anglicano, chamado Titus Oates, traiu a ordem dos jesuítas e a Igreja de Roma. Visando se aproveitar das benesses da corte inglesa, ele apresentou uma lista forjada de clérigos e leigos que supostamente tramavam depor o rei Carlos II. O nome do bispo Oliver Plunkett estava na lista macabra. Por isso, o bispo foi preso e condenado à decapitação.

Martírio

Dom Oliver Plunkett foi levado para Londres, a fim de que sua execução acontecesse em praça pública. Antes de sua morte, porém, ele fez um discurso que tocou os corações de todos os presentes. Seu heroísmo e testemunho de fé foram causa da conversão de muitos. Ele foi decapitado no dia 1° de julho do ano 1681 e este dia ficou marcado para a sua comemoração.

Bênção

A morte de Dom Oliver Plunkett comoveu tanto o povo, tanto inglês quanto irlandês, que, por causa disso, ele foi o último cristão católico a ser condenado e morto por causa da fé católica nas terras do Reino Unido. Ele foi beatificado no ano 1920 e canonizado em 1975 pelo Papa Paulo VI.

“Ó Deus, que destes a Santo Oliver Plunkett a graça de levar a vossa bênção a tantos quanto precisavam e a graça da perseverança até o fim, dai também a nós a graça da perseverança na fé e a de sermos portadores da vossa bênção onde quer que estejamos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo, amém. Santo Oliver Plunkett, rogai por nós.”